UOL Entretenimento

29/04/2009

Dr.Parnassus vai passear na Croisette

 

Bem que eu estava estranhando um filme como The Imaginarium of Dr. Parnassus, de um diretor visionário (e integrante do Club Croisette) como Terry Gilliam ter ficado de fora de Cannes este ano. Não ficou: o último trabalho de Heath Ledger no cinema será visto fora de competição na sexta dia 22 de maio, com toda pompa e circunstância. Johnny Depp, Colin Farrel e Jude Law subirão os degraus do Palais em homenagem a Ledger, cujo papel retomaram, coletivamente. Esperem lágrimas e muito frisson.

Por Ana Maria Bahiana às 15h03


Hugh Jackman homenageia Mel Gibson com Wolverine

Jackman chega ao Chinese....

"Que bom que vocês vieram, agora vou cantar alguns números para vocês..." Muito bronzeado e sorridente, sem a massa de músculos do filme, vestindo um impecável terno esporte cinza, Hugh Jackman saudou a lotadíssima platéia do Chinese Theater, ontem (terça) lembrando sua última atuação pública em LA - os Oscars. Dessa vez a nata se não da indústria, pelo menos do estúdio, 20th Century Fox, estava reunida (e armada de baldes de pipoca) para vê-lo uivar, rugir e brandir suas longas garras de adamântio em X Men Origins: Wolverine. Do outro lado de Hollywood Boulevard uma multidão de fãs  ocupava um quarteirão de calçada aos berros - e, galante, Jackman fez questão de ir falar com eles, dar autógrafos, posar para fotos. Um astro de verdade.

... vai dar uma força aos fãs...

Dentro do Chinese, Jackman encerrou sua breve apresentação com duas interessantes homenagens a pessoas na platéia: o ator Cathal J. Dodd, que criou o Wolverine na TV, e Mel Gibson. "Na primeira vez que me ofereceram este papel eu não sabia nada sobre X Men. Saí e aluguei Mad Max, porque, instintivamente, vi uma semelhança entre o que Mel Gibson fez com aquele personagem e o que eu imaginava que o Wolverine fosse. E agora Mel Gibson está aqui!  Aqui vai toda a minha gratidão!"

No Wolverine de Jackman (e do diretor sul africano, oscarizado por Tsotsi, Gavin Hood) o  cenho fechado, o estoicismo e as frases irônicas são certamente referências gibsonescas. Fora isso, o que dizer? (Calma, nada de spoilers aqui...). Coisas explodem, veículos improváveis batem uns nos outros, a trama sacoleja ao sabor de guinadas mal resolvidas que tem todo o jeito de correções de curso depois de muitos testes de mercado, rapazes musculosos exibem diferentes modos de matar e mutilar de maneira esteticamente bacana, em câmera lenta, e dois sujeitos barbudos precisando seriamente de manicures radicais enfrentam-se a intervalos regulares. Vai fazer um dinheirão, é claro.

Está aberta a temporada-pipoca.

..antes de se encontrar com o diretor Gavin Hood.

 

 

Por Ana Maria Bahiana às 04h27


27/04/2009

A doce vingança de Coppola

Em 1968, quando os evenements de Mai chegaram com toda força a Cannes, cineastas invadiram o Palais em fúria, exigindo novas idéias e novas posturas do que já era um veterano festival. O resultado imediato desse surto libertário foi a criação da Quinzena dos Realizadores que, apesar de ocupar o mesmo espaço e tempo do Festival - as mesmas duas semanas no mesmo ameno balneário da Riviera - vive num universo estético e criativo bastante diferente, com outros programadores, outras salas, outros títulos que nada tem a ver com o que se passa no Palais.

E foi aí mesmo, na Quinzena, que Francis Ford Coppola emplacou seu novo filme, o experimental Tetro, rodado na Argentina e  rejeitado para competição no Festival... Não apenas aceito, mas com destaque, abrindo a Quinzena.

Coppola começou como um jovem diretor experimental. É fascinante vê-lo, na maturidade, retomar suas raízes com tanta naturalidade - e audácia.

Também na Quinzena, bacana: um curta brasileiro,Superbarroco, de Renata Pinheiro; I Love You Philip Morris, de John Requa, um tour de force de Jim Carrey que já deu o que falar em Sundance; e o bonito de co-produções abraçando o mundo todo, como Canadá-Singapura ou França-Japão.

Por Ana Maria Bahiana às 00h39


Sobre a autora

Ana Maria Bahiana é jornalista e escritora, com uma carreira que cobre três décadas de reportagem e comentário de cultura no Brasil e no exterior, em imprensa, rádio, televisão e internet. Leia mais

Sobre o blog

Cinema, origem e espelho do que acontece na cultura do mundo. Comentário, notícias, críticas e todas as conexões que o cinema propõe - música, moda, estilo de vida.

Busca

Categorias

Blogs Relacionados

Links Úteis

Histórico